Centro de Pesquisa e Tecnologia do Oeste da Bahia – CPTO-BA

Centro de Pesquisa e Tecnologia do Oeste da Bahia – CPTO-BA

Visando qualificar cada vez mais as pesquisas realizadas pela Fundação BA, em parceria com as entidades Aiba e Abapa, com o aporte financeiro do Fundeagro está se construindo o “Centro de Pesquisa e Tecnologia do Oeste da Bahia – CPTO-BA” em Luís Eduardo Magalhães-BA, bem como a aquisição de cinco pivôs, sendo quatro de 15 ha cada e um de 60 ha, que representará um esforço na busca pela melhoria da produtividade e da qualidade nas lavouras do cerrado baiano, além de se tornar uma referência tecnológica regional reunindo em um mesmo local grande parte dos ensaios de pesquisa da Fundação Bahia e parceiros (consultorias, empresas de insumos, EBDA, ADAB, IAC, universidades, etc). O “Centro de Pesquisa e Tecnologia do Oeste da Bahia – CPTO-BA”, uma obra com 2.302,71m2 construída, conta com cinco laboratórios (fitopatologia, entomologia, nematologia, sementes e deslintamento de algodão), além de auditório, refeitório, dormitório e infra-estrutura de poço artesiano, sistema de irrigação (pivô-central), campo experimental, armazéns e galpões. Na área do Centro de Pesquisa, serão implantados importantes projetos de pesquisa nas culturas do algodão, soja, milho, café, cana-de-açúcar, girassol, mamona dentre outras, como por exemplo:

• Programas de melhoramento genético nas culturas do algodão e soja;
• Programa de hibridação e desenvolvimento de cultivares de cana-de-açúcar;
• Competição de cultivares comerciais de algodão, milho, soja e girassol;
• Campo de multiplicação de sementes melhoradas de algodão e soja;
• Campo de multiplicação de cultivares melhorados de cana-de-açúcar;
• Manejo cultural do algodão, soja, milho, café, cana-de-açúcar, girassol, mamona;
• Manejo da irrigação e adubação do cafeeiro;
• Manejo de fitopatógenos e nematóides das culturas;
• Manejo de insetos e ácaros pragas das culturas;
• Programa de monitoramento e controle do bicudo-do-algodoeiro;
• Programa Estratégico de Manejo da Ferrugem Asiática da Soja no Oeste da Bahia;
• Laboratório de identificação rápida da Ferrugem Asiática da Soja;
• Laboratório de identificação de fitonematóides;
• Laboratório de análise de sementes (qualidades física, fisiológica e sanitária);
• Testes de eficiência agronômica de produtos fitossanitários e fertilizantes.

Além da pesquisa, o “Centro de Pesquisa e Tecnologia do Oeste da Bahia – CPTO-BA”, vai sediar importantes eventos de transferência de tecnologias na região, como o “Dia de Campo do Algodão” (1.000 participantes na última edição), “Passarela da Soja” (1.200 participantes) “Dia de Campo do Café” (400 participantes), “Dia de Campo do Milho” (400 participantes), “Dia de Campo da Cana-de-açúcar” (500 participantes), “Dia de Campo do Girassol e Mamona” entre outros. Além disso, o espaço físico do anfiteatro e as áreas demonstrativas do campo experimental poderão ser utilizados intensamente para treinamentos e reciclagem de profissionais da área agrícola e alunos de escolas técnicas, simpósios, palestras, divulgações dos resultados de pesquisa da Fundação Bahia e parceiros.